PEDOFILIA VIRTUAL

PEDOFILIA VIRTUAL

 

Numa tarde de quarta-feira, em um shopping center na região metropolitana de Cuiabá, Cristina* estava sentada na praça de alimentação observando de longe um homem de 27 anos oferecer lanche, milk shake e um ursinho de pelúcia para sua filha de 11 anos e a amiga dela, da mesma idade. Em uma ação planejada juntamente com a equipe de segurança do shopping e a polícia, as duas mães conseguiram prender o pedófilo que se aproximou das meninas pela rede social Facebook e, com isso, preservaram a infância de suas filhas.
 
“Você nunca imagina que isso vai acontecer com você. É um sentimento de revolta saber que existem pessoas assim, com o perfil de roubar a infância da sua filha, de alguém que não teve a chance de amadurecer. As meninas precisam de proteção, ainda não começaram a conhecer o mundo. Elas iam perder a infância, porque a criança fica vazia, perde a infância”, descreve Cristina.
 
A ação das mães interrompeu a prática de um crime muito comum que vem crescendo em Mato Grosso. Em janeiro deste ano, foi reativada a Gerência Especializada de Crimes de Alta Tecnologia (Gecat) para auxiliar as demais delegacias do Estado a lidar com crimes que envolvam o ambiente virtual. De acordo com o coordenador da Gecat, delegado Eduardo Botelho, 20% dos procedimentos recebidos pelo setor desde sua reativação diz respeito à pedofilia virtual.
 
“São crimes que acontecem quando ocorre a transmissão ou o compartilhamento de vídeos ou fotografias de crianças e adolescentes praticando atos sexuais ou em algum ato erótico”, explica o delegado.
 
São três os principais dispositivos legais que tratam da pedofilia virtual. O Código Penal traz em seu artigo 217-A o crime de estupro de vulnerável, que ocorre quando uma pessoa constrange menores de 14 anos à conjunção carnal ou qualquer outro ato libidinoso. O artigo 240 do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90) estabelece que é crime produzir cenas de crianças e adolescentes em contexto erótico, seja por foto, vídeo ou outro meio. Por fim, há o artigo 241-A do ECA, que criminaliza o ato de compartilhar esse tipo de imagem envolvendo menores.
 
“O crime mais comum ocorre quando as pessoas, sem noção da origem ilícita dessa conduta, ficam compartilhando vídeos de crianças e adolescentes em contexto erótico, até mesmo com a intenção de ajudar as autoridades a esclarecer os fatos, mas elas também praticam esse crime”, aponta o delegado.
 
Cristina e Márcia* tiveram tempo de agir de forma preventiva graças à atenção que Márcia deu ao acesso de sua filha às redes sociais, a partir das observações da escola e de sua filha mais nova, de apenas oito anos, que notou a mudança de comportamento da irmã. Márcia encontrou todas as conversas do pedófilo com a filha de 11 anos, pedindo para ela usar brincos, maquiagem, gravar vídeos sensuais, e se passou pela filha até marcar o encontro com o suspeito. Quando ele foi detido na ação planejada entre as mães e as autoridades de segurança, foram encontradas outras crianças vítimas de pedofilia, por meio de provas no celular do suspeito.
 
“Nós ficamos muito abaladas, sem confiar em ninguém. Com isso, eu aprendi que você precisa estar próximo dos seus filhos, ser mais amiga, não se preocupar só com trabalhar e dar mais atenção a eles. Eu comecei a ser mais participativa e passar mais momentos com ela”, afirma Cristina
 
 
 

APRENDA A PROTEGER QUEM VOCÊ AMA

 

voltar para LINKS IMPORTANTES

left show fwR c10 center b03nu bsd|left tsN fwB|left show fwR|b02 bsd c15 sbsw|||news login fwB tsN fwR tsY b02ne c10 bsd|b02ne bsd fsN normalcase tsN fwR c10|normalcase c10 b02ne bsd|news login normalcase b02ne fwB c10 bsd|tsN normalcase fwB b02ne c10 bsd|normalcase b02ne c10 bsd|content-inner|left show fwR c10 center b03nu bsd|news fl login fwB tsN fwR tsY b02ne c10 bsd
>